top of page

Trabalhadores começam a ocupar Brasília esta semana contra as reformas de Temer


70669397a5be20e6c689155c2b2f39ab

Fetec-CUT/CN orienta entidades filiadas a se engajarem na Marcha a Brasília e na pressão contra os parlamentares para barrar os ataques dos golpistas à classe trabalhadora

As centrais sindicais e os movimentos sociais começam a partir desta semana uma série de ações em Brasília para pressionar o Congresso Nacional a barrar as reformas trabalhista (no Senado) e da previdência social (que tramita na Câmara dos Deputados). A primeira mobilização acontece nesta quarta-feira 17, com visitas a gabinetes de parlamentares e na próxima semana as entidades farão marcha e ocupação na capital federal na quarta-feira 24.

A Federação dos Bancários do Centro Norte (Fetec-CUT/CN) orienta seus sindicatos filiados a intensificarem os esforços para se engajarem nessas atividades convocadas pelas centrais sindicais e movimentos sociais.

“Estamos vivendo um momento crucial na nossa história, em que conquistas importantes obtidas pela classe trabalhadora em um século de lutas estão sendo exterminadas por um governo ilegítimo não eleito e por um Congresso manchado por denúncias de corrupção, para atender interesses do patronato e dos banqueiros. Temos que lutar com todas as nossas forças para barrar esses ataques. Por isso devemos ir todos a Brasília e pressionar os parlamentares em suas bases”, convoca Cleiton dos Santos, presidente da Fetec-CUT/CN.

A CUT enviou na sexta-feira 12 circular a todas as suas seções estaduais convocando para as mobilizações em defesa dos direitos e contra as reformas trabalhista e da previdência arquitetadas por Michel Temer (PMDB) e os aliados golpistas.

A pressão já começa a dar resultados. Informações sobre o clima entre os parlamentares no Congresso dão conta que deputados e senadores estão muito incomodados com a mobilizações da classe trabalhadora junto às suas bases eleitorais, o que fortalece a esperança para continuar e obter as mudanças de votos que os trabalhadores precisam para reverter o roubo de direitos.

Por esse motivo é preciso ampliar a pressão em todos os estados impedindo os parlamentares de respirar sem que um de nós esteja em seus calcanhares.

Nesta quarta 17 haverá mutirão de visita aos gabinetes dos senadores e a intensificação do trabalho de pressão que tem sido feito pelos representantes da classe trabalhadora.

Depois disso, o passo seguinte será ocupar a capital federal contra o roubo dos direitos trabalhistas com caravanas de todo o país.

“A greve geral do último dia 28 mostrou que a informação está chegando à população que está participando de todas as atividades convocadas. E assim como fizemos a maior Greve Geral da história, também faremos a maior manifestação que Brasília já viu”, apontou o secretário-geral da CUT, Sérgio Nobre.

Confira abaixo nota das centrais sobre a agenda de mobilizações:

NOTA DAS CENTRAIS SINDICAIS

CONTINUAR E AMPLIAR A MOBILIZAÇÃO CONTRA A RETIRADA DE DIREITOS!

As Centrais Sindicais, reunidas na tarde do dia 4 de maio, avaliaram a Greve Geral do dia 28 de abril como a maior mobilização da classe trabalhadora brasileira. Os trabalhadores demonstraram sua disposição em combater o desmonte da Previdência social, dos Direitos trabalhistas e das Organizações sindicais de trabalhadores.

A forte paralisação teve adesão nas fábricas, escolas, órgãos públicos, bancos, transportes urbanos, portos e outros setores da economia e teve o apoio de entidades da sociedade civil como a CNBB, a OAB, o Ministério Público do Trabalho, associações de magistrados e advogados trabalhistas, além do enorme apoio e simpatia da população, desde as grandes capitais até pequenas cidades do interior.

As Centrais Sindicais também reafirmaram sua disposição de luta em defesa dos direitos e definiram um calendário para continuidade e ampliação das mobilizações.

CALENDÁRIO DE LUTA

▪ Comitiva permanente de dirigentes sindicais no Congresso Nacional para pressionar os deputados e senadores e também atividades em suas bases eleitorais para que votem contra a retirada de direitos;

▪ Atividades na base sindicais e nas ruas para continuar e aprofundar o debate com os trabalhadores e a população, sobre os efeitos negativos para a toda sociedade e para o desenvolvimento econômico e social brasileiro.

Do dia 15 ao dia 19 de maio:

▪ Ocupa Brasília: conclamamos toda a sociedade brasileira, as diversas categorias de trabalhadores do campo e da cidade, os movimentos sociais e de cultura, a ocuparem Brasília para reiterar que a população brasileira é frontalmente contra a aprovação da Reforma da previdência, da Reforma Trabalhista e de toda e qualquer retirada de direitos;

▪ Marcha para Brasília: em conjunto com as organizações sindicais e sociais de todo o país, realizar uma grande manifestação em Brasília contra a retirada de direitos.

Se isso ainda não bastar, as Centrais Sindicais assumem o compromisso de organizar um movimento ainda mais forte do que foi o 28 de abril.

Por fim, as centrais sindicais aqui reunidas convocam todos os Sindicatos de trabalhadores do Brasil para mobilizarem suas categorias para esse calendário de lutas.

CGTB – Central Geral dos Trabalhadores do Brasil CSB – Central dos Sindicatos Brasileiros CSP Conlutas – Central Sindical e Popular CTB – Central dos Trabalhadores e das Trabalhadoras do Brasil CUT – Central Única dos Trabalhares Força Sindical Intersindical – Central da Classe Trabalhadora NCST – Nova Central Sindical de Trabalhadores UGT – União Geral dos Trabalhadores Fetec-CUT/CN, com CUT Nacional e Rede Brasil Atual

0 views0 comments

Comments


2.png
logo 1.png
3.png
  • Facebook
  • Instagram
  • Whatsapp
  • X
bottom of page