top of page
  • Writer's picturesintrafap

Outubro Rosa: o papel do diagnóstico precoce para alcançar a cura

Contraf-CUT apoia campanha para encorajar mulheres a realizar exames preventivos

Estamos no Outubro Rosa, campanha que surgiu nos Estados Unidos na década de 1990 e que desembarcou no Brasil em 2002, para conscientizar sobre a importância da prevenção e diagnóstico precoce do câncer de mama. A partir de 2011, a campanha passou a incluir a prevenção sobre o câncer de colo de útero. O tumor maligno nas mamas é o que mais mata mulheres no país e, segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca), a mortalidade pela doença se mantém estável no Brasil desde 2008. Na avaliação de especialistas, isso se deve pela dificuldade de acesso ao diagnóstico e tratamento, que faz com que menos de 20% das mulheres realizem as mamografias no tempo certo. “O diagnóstico precoce do câncer de mama é fundamental para o sucesso do tratamento e, consequentemente, a cura de pacientes detectados com essa doença”, explica a secretária da Mulher da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), Fernanda Lopes, com base em dados do Instituto Oncoguia. Levantamentos da entidade apontam que o diagnóstico, logo no início do desenvolvimento do tumor, aumenta em 95% as chances de cura. “Por isso que a Contraf-CUT apoia a campanha para encorajar mulheres a realizar seus exames preventivos”, completa.


Queda no orçamento

Em pleno Outubro Rosa, o Governo Federal anunciou corte de 45% nos recursos destinados para tratamento e combate ao câncer, passando de R$ 175 milhões para R$ 97 milhões. O montante retirado da área da Saúde foi direcionado para reforçar as emendas do orçamento secreto, que sai do Planalto para deputados e senadores e chega a R$ 19,4 bilhões. “Esse é um grande retrocesso e que, mais uma vez, atinge diretamente as mulheres, quando observamos anos anteriores. Entre 2005 e 2014, o Estado criou a Política Nacional de Atenção Oncológica e os investimentos para a prevenção de câncer e de colo de útero e mama, no período, foram de R$ 4,5 bilhões”, pontua Fernanda Lopes.


Fonte: Contraf/CUT

3 views0 comments

Comments


2.png
logo 1.png
3.png
  • Facebook
  • Instagram
  • Whatsapp
  • X
bottom of page