top of page

Manifestações de trabalhadores nas ruas no Brasil

  Enviar     Bancos Financeiras Cooperativas de Crédito Outros               Acesso Restrito Login: Senha:   Enviar Home » Notícias 11/07/2013 Trabalhadores ocupam as ruas com manifestações em todo o país    Crédito: CUT CUT Paralisações, fechamento de estradas e protestos no Dia Nacional de Lutas

Enviar Bancos Financeiras Cooperativas de Crédito Outros Acesso Restrito Login: Senha: Enviar Home » Notícias 11/07/2013 Trabalhadores ocupam as ruas com manifestações em todo o país Crédito: CUT CUT Paralisações, fechamento de estradas e protestos no Dia Nacional de Lutas


Trabalhadores e movimentos sociais tomaram as ruas nesta quinta-feira (11) em todo o país no Dia Nacional de Lutas. Paralisações, fechamento de estradas e outras mobilizações são realizadas em todos os estados e no Distrito Federal.

Em São Paulo, trabalhadores iniciaram as manifestações com interdição de rodovias e avenidas na cidade. Há manifestações ocupando as rodovias Anhanguera, Castello Branco, Raposo Tavares, Fernão Dias, Dutra, Mogi-Bertioga e a Cônego Domênico Rangoni, na altura de Guarujá. Um ato unificado está marcado para às 12h, na avenida Paulista.

Na capital, as agências bancárias na avenida Paulista estão fechadas na manhã de hoje para o ato organizado pelas centrais sindicais. Um grupo de metalúrgicos filiados à Força Sindical fez uma passeata na pista da Marginal Pinheiros, em Santo Amaro, na altura da ponte Transamérica. Uma passeata também ocupa a avenida Radial Leste.

Cerca de 600 motoboys, segundo a Polícia Militar, fazem neste momento um protesto pelas ruas de São Paulo. Os manifestantes saíram em comboio, por volta das 10h, da zona sul e seguem para a avenida Paulista, para participar do ato.

Na Rua 25 de Março, principal polo de comércio popular da capital paulista, cerca de mil pessoas participaram de uma manifestação organizada pelo Sindicato dos Comerciários de São Paulo, segundo a Polícia Militar. Os manifestantes também se dirigem para a Avenida Paulista.

“Protestamos hoje para levar sobretudo ao Congresso as pautas dos trabalhadores, paradas há anos: fim do fator previdenciário, não à precarização das condições de trabalho, saúde e educação públicas de qualidade, mobilidade urbana etc.”, afirmou na manhã de hoje Juvandia Moreira, presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, à Rádio Brasil Atual.

Os metalúrgicos estão mobilizados também no ABC paulista. Em São Bernardo, as concentrações foram nas fábricas da Ford, Mercedez-Benz, Proema, Arteb, Sachs, Proxyon, Sogefi e Toyota. Os trabalhadores fizeram uma passeata e tomaram parte da Via Anchieta. A avenida Goiás, em São Caetano, também foi fechada pelos trabalhadores da General Motors.

As marchas desta quinta-feira foram agendadas na esteira das manifestações de junho pelas centrais sindicais e pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, que esperam sistematizar as reivindicações dos trabalhadores e garantir que se aproveite o momento de trabalhos acelerados no Executivo e no Legislativo para retomar antigas bandeiras e introduzir novas propostas.

“Nosso Dia Nacional de Luta é um grande grito de alerta para o governo federal, mas principalmente para o Congresso de que nossas demandas, as pautas da classe trabalhadora não foram atendidas, estão lá paradas. Queremos que elas sejam debatidas e votadas”, disse o presidente da CUT, Vagner Freitas. “Sabemos que nem tudo cabe à presidenta, mas ela é o instrumento pelo qual o Congresso atenderá nossas reivindicações, por meio da base aliada do governo.”

A pauta comum das entidades sindicais inclui a rejeição do Projeto de Lei 4.330, de 2004, que amplia a terceirização de atividades, o fim do fator previdenciário, a destinação de 10% do PIB para educação e de 10% do Orçamento da União para a saúde. As reivindicações são também de garantia de um transporte público de qualidade, de valorização das aposentadorias, de realização da reforma agrária e de suspensão dos leilões de blocos do pré-sal.

“Esse movimento só é possível porque foi criada uma pauta única. Temos uma pauta e temos um projeto”, ressaltou o secretário-geral da Força Sindical, João Carlos Gonçalves, o Juruna. “Estamos aqui para trabalhar essa ideia, lutar pelos direitos dos trabalhadores. Fator, terceirização, reforma agrária, e unificar o movimento social e sindical.”

Sul

Os ônibus dos municípios gaúchos de Porto Alegre, Viamão, Cachoeirinha, Gravataí, e Alvorada não circulam durante a manhã. O acesso à Rodoviária de Porto Alegre, capital do estado, também está bloqueado. As agências bancárias e os Correios não estão funcionando, assim como a maior parte das escolas do município. Militantes do MST ocuparam os pedágios de Carazinho (BR-386) e Viamão (ERS-040) e ergueram as cancelas.

A passagem nos pedágios também foi liberada em pelo menos 14 praças do Paraná, devido a um protesto dos trabalhadores rurais do estado. Desde o começo da manhã, ruas e rodovias de Curitiba, capital paranaense, estão bloqueadas. O Hospital de Clínicas (HC) funciona parcialmente e a maioria das aulas na Universidade Federal do Paraná (UFPR) foi cancelada. O transporte coletivo pode ser interrompido das 15h às 19h, dependendo de uma assembleia marcada para o começo da tarde.

Em Florianópolis (SC), servidores públicos municipais se reúnem na Praça Tancredo Neves, no centro da capital catarinense, para uma série de atividades, que incluem palestras e assembleias. Antes disso, eles ocuparam uma das pistas da Ponte Pedro Ivo Campos. Diversos serviços serão total ou parcialmente interrompidos, como as aulas nas escolas municipais e estaduais e o atendimento em hospitais, postos de saúde e bancos. Na região serrana, 500 militantes do MST bloquearam a BR-116, no município de Correia Pinto.

Sudeste

No Rio de Janeiro, seis centrais sindicais e o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) organizaram uma manifestação, às 15h, que seguirá da avenida Rio Branco até a Cinelândia, no centro da capital fluminense. Várias categorias anunciaram paralisações nos serviços, entre elas os professores municipais e estaduais e trabalhadores dos Correios, que fecharam o Centro de Operações Postais, na zona norte. Os caminhões de entregas não estão circulando.

Na capital mineira, o metrô e os trens estão parados, além de três estações de ônibus (Venda Nova, Barreiro e Diamantes). No município de São João Del Rei, metalúrgicos, comerciários, rodoviários e funcionários da Universidade Federal aderiram ao movimento. Em Mariana, os manifestantes bloquearam o trânsito no centro da cidade e fecharam a rodovia MGC-129. O trânsito também foi bloqueado em Contagem.

Na rodoviária de Vitória (ES), os ônibus estão parados, assim como os trens de passageiros da Estrada de Ferro Vitória a Minas (EFVM). Os taxistas também aderiram ao movimento. Os hospitais só atendem casos de urgência e emergência. Um grupo de manifestantes se concentra na Universidade Federal do Espírito Santo e vai seguir, em passeata, até a Assembleia Legislativa, que está ocupada desde o último dia 2. Em Vila Velha, a Polícia Militar bloqueia a passagem de veículos na Terceira Ponte, onde um grupo de manifestantes se reúne. Eles marcharão até Vitória.

Centro-Oeste

No Distrito Federal, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) ocupou a sede nacional do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) para exigir a retomada da reforma agrária. Para o MST, é preciso assentar 150 mil famílias acampadas, com a concessão de novos créditos.

Em Goiânia, 40 sindicatos participam do Dia Nacional de Luta. Cerca de mil pessoas, estão reunidas na Praça do Bandeirante, no centro. A avenida Goiás, principal da cidade, foi ocupada por manifestantes. Um grupo de 200 pessoas ocupou a sede da reitoria da Universidade Estadual de Goiás (UEG), em Anápolis.

Em Palmas (TO), manifestantes fecharam a rodovia TO-050, que já foi liberada, e a avenida Theotônio Segurado, no centro.

Manifestantes bloquearam trechos de duas rodovias federais que cortam Mato Grosso: as BRs 364 e 163. Segundo a Central Única dos Trabalhadores (CUT) do estado, seis entidades de classe apóiam o movimento. Haverá paralisação dos bancários, dos servidores federais e dos professores da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Trabalhadores rurais, a maioria assentados da reforma agrária, também participam dos protestos.

Cerca de 12 mil pessoas estão concentradas na praça do Rádio, em Campo Grande (MS), para participarem de um ato unificado, segundo a Polícia Militar. Participam militantes da Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul (Fetems), da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Mato Grosso do Sul (Fetagri) e do Sindicato dos Trabalhadores na Construção Civil e do Mobiliário de Campo Grande (Sintracom), além de agentes da Companhia Independente de Policiamento de Trânsito da Capital (Ciptran), Agência Municipal de Trânsito (Agetran) e de agricultores ligados ao MST.

Nordeste

Em Recife (PE), os protestos do Dia Nacional de Lutas se concentraram no complexo industrial portuário de Suape, sendo que algumas vias federais foram ocupadas por manifestantes. A BR-232 está bloqueada no km 143 em frente a um assentamento do MST. Outras vias, como a BR-116, BR-428, BR-194 e BR-101, também estão ocupadas em alguns trechos.

Os ônibus circulam normalmente em Salvador (BA), porém diversas agências bancárias estão fechadas na cidade. A BR-324, principal rodovia entre capital e interior, foi bloqueada, assim como a Via Parafuso, que dá acesso ao Polo Petroquímico de Camaçari. Um grupo de manifestantes protestou perto de Feira de Santana. Os manifestantes estão se concentrando na Avenida Sete, no centro, onde ocorrerá um ato às 11h.

Os protestos ganharam força em Fortaleza, no Ceará, onde motoristas e cobradores bloquearam entradas e saídas de terminais de ônibus e manifestantes ocuparam avenidas de grande fluxo da cidade. Operários da construção civil, servidores públicos e funcionários de indústrias de castanhas também aderiram à paralisação.

Norte

Em Manaus, 60% da frota de ônibus está parada. Participam também do Dia Nacional de Lutas categorias profissionais filiadas a centrais sindicais, movimentos sociais e estudantis, entre eles o Movimento Passe Livre (MPL), União Brasileira de Mulheres (UBM), União de Negros pela Igualdade (Unegro) e União Nacional dos Estudantes (UNE). Professores, estudantes e técnicos-administrativos da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) bloquearam a entrada da instituição.

Grande parte das agências bancárias de Belém (PA) não está funcionando. Membros de sindicatos e movimentos sociais se concentram na frente do Palácio Antônio Lemos, sede da prefeitura, para um ato unificado. Uma comissão de 20 representantes espera ser atendida pelo governador do estado, Simão Jatene (PSDB). Mais cedo, um grupo de manifestantes ligados ao MST ocupou a rodovias estaduais PA 275, PA 124 e PA 151.

Em Rondônia, 200 pessoas de diversos sindicatos estão aglomerados na Avenida Jorge Teixeira, em Porto Velho, para iniciar uma caminhada em direção do palácio do governo, de acordo com a PM.

Fonte: Nicolau Soares – Rede Brasil Atual

1 view0 comments

コメント


bottom of page