top of page
  • sintrafap

CAIXA 2T23: BANCO LUCRA 40,9% A MAIS QUE O MESMO PERÍODO DE 2022, SEM VENDA DE ATIVOS

Presidente da Fenae pede mais contratações de empregados. Em 12 meses houve fechamento de 428 postos de trabalho

A Caixa cresce e retoma protagonismo no desenvolvimento do país. No balanço do segundo trimestre do ano (2T23), apresentado nesta quinta-feira (17), o banco registrou lucro líquido de R$ 2,6 bilhões – crescimento de 40,9% em comparação com o mesmo período de 2022. No semestre, o lucro líquido foi de R$ 4,5 bilhões, com alta de 3,2% em relação ao 1º semestre de 2022.

Destaque para o lucro baseado em operações do banco e não em venda de ativos – situação constante na gestão do ex-presidente do banco entre 2019 e 2021. De acordo com o balanço, “não houve eventos não recorrentes [venda de ativos] com impacto no resultado do 1º trimestre de 2023 e no comparativo do 1º semestre de 2022.” A margem financeira, por exemplo, teve aumento de 22,9% no primeiro semestre do ano em comparação com o mesmo período de 2022, alcançando R$ 28,8 bilhões. Na mesma comparação, a carteira de crédito obteve elevação de 34,6%.

A presidente do banco, Rita Serrano, destacou o bom resultado sem a venda de ativos. Um lucro positivo, 40% maior que o ano de 2022, mas um lucro baseado nas operações do banco”, enfatizou. “Estamos apresentando um resultado que recoloca a Caixa como protagonista do desenvolvimento [do país], mas não só isso, como agente que está disputando no sistema financeiro”, ressaltou.

No primeiro semestre, as receitas com carteira de crédito alcançaram R$ 60 bilhões. Segundo análise do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), embora tenha sofrido retração de 1,7% no 2t23, as operações de crédito comercial com pessoas físicas cresceram 9,6% no período, totalizando R$ 125,9 bilhões. No segmento de pessoas jurídicas, o crescimento foi de 11,8% em relação ao 1º semestre de 2022, somando R$ 89,0 bilhões.

Outros destaques – O crédito imobiliário, mesmo com impacto de perda na captação líquida da poupança com a alta taxa da Selic, cresceu 15% em doze meses, com saldo de R$ 682,8 bilhões e participação de 64,3% na composição da carteira do banco. As operações de saneamento e infraestrutura cresceram 5,3%, no período, totalizando R$ 98,5 bilhões. O crédito rural foi responsável pelo maior crescimento, de 60,5%, fechando com saldo de R$ 49,4 bilhões.

Mais contratações - De acordo com o balanço, houve fechamento de 428 postos de trabalho em 12 meses. O banco fechou o 1º semestre do ano passado com 86.901 empregados; já no mesmo período de 2023, o número foi reduzido para 86.473. Ao mesmo tempo, o número de clientes cresceu – são 2,5 milhões de novos clientes. Isso faz com que cada empregado da Caixa seja responsável por atender, em média, 1.751,7 clientes, o que sobrecarrega os trabalhadores do banco. Em 12 meses, uma agência, 4 postos de atendimento, 366 unidades Caixa Aqui e 50 lotéricos foram fechados.

“Reconhecemos o esforço do banco com a contratação de 800 empregados em maio deste ano, mas ainda é muito pouco. Precisamos de mais contratações para diminuir a sobrecarga dos trabalhadores, dar condições dignas de trabalho e prestar um atendimento melhor à população, especialmente neste momento em que a Caixa retoma o seu protagonismo social”, observou Takemoto.



Fonte: Fenae

4 views0 comments
bottom of page