top of page
  • Writer's picturesintrafap

Bancários fazem planejamento de ações para diversidades

Entre objetivos da CGROS está estimular organização nas federações de coletivos específicos, como os de trabalhadores com deficiência e LGBTQIAP+


A Comissão de Gênero, Raça, Orientação Sexual e Trabalhadores e Trabalhadoras com Deficiência (CGROS) da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) se reuniu, nesta quinta-feira (29), para traçar o planejamento de atuação neste período. Participaram do evento, na sede da entidade, em São Paulo, dirigentes da Confederação e representantes de federações filiadas, integrantes do coletivo nacional. Para o secretário de Políticas Sociais da Contraf-CUT, Elias Jordão, “este é o primeiro passo, com vistas à criação dos coletivos nas federações, e, em breve, caminharemos para desdobramentos de atuação, com seminários e encontros mais amplos, levantando todas as demandas pertinentes ao debate da CGROS”. Elias entende que o planejamento de atuação da CGROS requer que se leve em conta o atual momento político do país. “Durante o governo passado, todas as políticas sociais foram destruídas, junto com muitos direitos, e nossa preocupação era derrotar o fascismo e o retrocesso”. Com o retorno de um governo popular e a retomada do estado democrático de direito, “respirando novamente os ares da democracia”, como ressalta o secretário, “a sociedade civil organizada é chamada a participar e contribuir com todas as pautas sociais”. Elias enfatiza que os bancários, com protagonismo no movimento sindical brasileiro, têm importante papel a exercer no que diz respeito às políticas sociais. “Nós, que debatemos todos estes temas dentro da nossa categoria, queremos nos organizar e dar também a nossa melhor contribuição em todos os espaços da sociedade”, garante. Para ele, a retomada efetiva do CGROS é importante neste momento, pois, após a pandemia, a Campanha Nacional da categoria e a eleição de 2022, alguns temas precisam de atenção mais assertiva do movimento sindical. “Enquanto vemos que alguns setores seguem bem estruturados, como juventude, combate ao racismo e gênero e mulheres, que têm inclusive secretarias específicas na Contraf-CUT, as demandas ligadas aos trabalhadores e trabalhadoras com deficiência e da comunidade LBGTQIAP+, por exemplo, têm demandas específicas importantes que precisam ser conquistadas”. Para a secretária da Juventude, Bianca Garbelini, “a Contraf-CUT está sempre na vanguarda desse debate, e no momento vemos a necessidade da organização do coletivo LGBTQIAP+, como está ocorrendo na CUT, onde o coletivo está já bastante estruturado. Assim, as reivindicações para essa comunidade podem ser bem sistematizadas e isso aumenta a força da categoria nas mesas de negociações com os bancos”. A diretora da Contraf-CUT Rosalina Amorim lembra que “a CGROS tem a tradição de ser muito dinâmica, em especial nas mesas de negociação com a Fenaban, e esta retomada permite fortalecer os debates, com a participação das federações e dos sindicatos, que sentem essa necessidade para desenvolver seus trabalhos e para sua organização. Isso é muito importante especialmente para segmentos como PcDs, mulheres e LGBTQIAP+.”

Distorções no emprego

O Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) trouxe ao encontro um estudo que mostra as distorções no emprego da categoria, decorrentes de discriminação a vários segmentos, como comunidade LGBTQIAP+, pessoas com deficiência (PcD), mulheres e trabalhadores negros e negras, entre outros. A apresentação, feita pela economista da subseção na Contraf-CUT do Dieese, Vívian Machado, mostrou problemas que afetam, por exemplo, as mulheres, que recebem menos que os homens, são as maiores vítimas do endividamento familiar e sofrem forte violência. “No 1º semestre de 2022, a cada 6 horas, uma mulher foi vítima de feminicídio no Brasil”, conforme o estudo. A remuneração média, com dados de 2021, revela também resultados da discriminação no emprego bancário. Enquanto um homem branco recebia R$ 11.831, o salário médio de uma mulher preta ficou em R$ 8.018. O mesmo se observa em cargos de liderança, preenchidos em 40,8% por homens brancos, em 7,4% por mulheres pardas e em apenas 1,1% por mulheres pretas. Com relação a trabalhadores e trabalhadoras com deficiência, os números revelam que a inclusão é outra pauta que deve receber atenção do movimento sindical. Embora o percentual de bancários com deficiência tenha subido de 2,4%, em 2012, para 3,7% em 2021, o índice ainda é considerado baixo. Nesse ano, dos 442,5 mil bancários, apenas 16,3 mil eram PcDs. A secretária da Mulher da Contraf-CUT, Fernanda Lopes, ressaltou que “outra questão a ser levada em conta é que as PcDs, além de serem contratadas, devem ser valorizadas pelos bancos, devem ser consideradas na plenitude de sua capacidade, e não ficarem jogadas num canto do setor onde trabalham, fazendo um trabalho secundário”. Para o secretário de Combate ao Racismo da Contraf-CUT, Almir Aguiar, “as pesquisas são importantes, porque sistematizam os dados que mostram o cenário e suas distorções, e assim permitem a elaboração de políticas públicas e municiam o movimento sindical para suas lutas e negociações, como exigir equidade na remuneração a negras e negros e mais contratação de PcDs e pessoas LGBTQIAP+. Na questão de gênero, também, observamos que mesmo nas entidades sindicais a maior parte dos dirigentes é formada por homens. E quando vamos para as mesas de negociação, o mesmo ocorre com os representantes dos bancos. Então, é fundamental aprofundarmos esse debate, para que possamos enfrentar esse problema, que é estrutural em nossa sociedade”. Confira detalhes na apresentação do Dieese Igualdade de Oportunidades – Planejamento CGROS.




Comments


2.png
logo 1.png
3.png
  • Facebook
  • Instagram
  • Whatsapp
  • X
bottom of page